Assim como no primeiro ano de suas atividades, o grupo Jornalismo, Direito e Liberdade continua com a proposta no ano de 2017 de promover debates e seminários que pautem o jornalismo, suas marcas identitárias e sua razão de ser na mediação do debate público, em uma abordagem transdisciplinar que abrange os campos dos Estudos da Comunicação, do Direito Constitucional e da Filosofia Política, tendo como principal enfoque  estabelecer os fios de uma genealogia dos princípios estruturantes da imprensa e, em particular, da imprensa no Brasil, com atenção também para os marcos normativos auto-regulatórios internos à profissão e presentes na formação do jornalista. A metodologia inclui estudos bibliográficos e estudos sobre as instituições jornalísticas. O plano de estudos abrange a organização de seminários e atividades listados a seguir, além da manutenção deste website e a orientação em nível de graduação e pós-graduação.

Ano 2 – 2017

Semestre 3

TEMA DO SEMESTRE: Definições, distinções e casos paradigmáticos da profissão de jornalista

  •  26 de abril de 2017. CJE-ECA, das 14h00 às 17h00.

Jornalismo: instituição e expressão.

EXPOSITORES: Camilo Vannuchi e Vitor Blotta

DEBATEDOR: Eduardo Nunomura

    1. As quatro idades da imprensa.
    2. As quatro vertentes da visão institucional de imprensa.
    3. A ideia do “quarto poder”.[1]
    4. A ética da responsabilidade na imprensa.
    5. Regulação pública da imprensa: entre o necessário e o temerário.
      1. BIBLIOGRAFIA: STEWART. NITRINI, Rodrigo. WEBER (Política como vocação). MIÈGE. KOVACH e ROSENSTIEL. LAFER (A mentira).  CURRAN & SEATON. Power Without Responsibility. Broadcasting and the Press in Britain, London: Routledge, 2003, 55-66.
  • 24 de maio de 2017. IEA, das 14h00 às 17h00

Um conceito de Imprensa para os cursos de jornalismo.

EXPOSITORES: Eugênio Bucci

DEBATEDOR: Vitor Blotta

    1. Independência e discurso desinteressado.
    2. Criação de um conceito de Imprensa, instituição cujo idioma é o jornalismo.
      1. BIBLIOGRAFIA: BUCCI. (“Uma profissão, um conceito”).

HABERMAS. Medios, mercados y consumidores: la prensa seria como espina dorsal de la esfera pública política. In: Ach, Europa! (2009, p. 129-135). 

Semestre 4

TEMA DO SEMESTRE: Formas contemporâneas do jornalismo e propostas para uma escola de Jornalismo no Brasil

  • 13 de setembro de 2017. CJE-ECA, das 14h00 às 17h00.

Por que a incompreensão da imprensa favorece a censura (mesmo inadvertidamente).

EXPOSITORES: Vitor Blotta e Lais Modelli

    1. 1808: entre O Correio Braziliense e A Gazeta do Rio de Janeiro
    2. Tradição cultural.
    3. Tradição jurídica.
    4. O apego à ilusão da vigilância.
    5. Conflitos entre direitos da personalidade e direito à informação.
    6. Os marcos regulatórios democráticos e sua função de inibir a censura.
    7. “Media freedom”, regulação positiva e regulação negativa.
    8. “Disclosing”, “shaming”, “outing”, “redress” e a noção de “dano”.
    9. Processos de regulação, regras de propriedade e regulação de conteúdo.
    10. Perspectivas liberal, liberal pluralista e comunitária de regulação.
      1. BIBLIOGRAFIA: BRITO. BUCCI. (O desejo de censura). CARVALHO FILHO. DINES (O papel do jornal). PETLEY, Julian. Media and Public Shaming: drawing the boundaries of disclosure, 2013.
        FREEDMAN, Des. The Politics of Media Policy, 2008. 
  • 29 de novembro de 2017. IEA, das 14h00 às 17h00.

Modelos curriculares para o ensino de jornalismo em graduação.

EXPOSITORES: Dennis Oliveira e Ciro Marcondes Filho.

DEBATEDORES: Vitor Blotta 

    1. Modelos da UNESCO.
    2. Proposta de Tom Rosenstiel.
      1. BIBLIOGRAFIA: Proposta UNESCO, ROSENSTIEL.
    3. Diretrizes do MEC: avanços e bloqueios.
      1. BIBLIOGRAFIA: Diretrizes do MEC.

Acesse a proposta completa em:  CronogramaGrupoJDL2016-2017.atualizado.docx.docx

 

2016 Semestre 2

TEMA DO SEMESTRE: Fundamentos filosóficos e jurídicos da liberdade de imprensa e do jornalismo

2o Encontro. 2o Semestre de 2016

3 de novembro de 2016. IEA, das 15h00 às 17h00.

Teoria da Opinião Pública

EXPOSITOR: Carlos Eduardo Lins da Silva

DEBATEDORES: Vitor Blotta e Eduardo Canesin

a.     Origens da opinião pública.

b.     Opinião pública como mito.

c.     Dos “devezenquandários” franceses aos Federalist Papers.

d.     Opinião publicada, opinião pesquisada e opiniões públicas consideradas.

1o encontro

22 de setembro de 2016. ECA-USP (Auditório Freitas Nobre), das 14h00 às 17h00.

Comunicação Pública e Democracia

EXPOSITOR: Fernando Schuler. Texto sobre Emissoras Públicas e Democracia

DEBATEDORES: Eugênio Bucci e Ricardo Gandour.

BIBLIOGRAFIA:

Fernando Schuler. Versão preliminar – texto sobre Emissoras Públicas e Democracia (a ser enviado ao grupo)

Bucci, E. O Estado de Narciso. São Paulo; Cia das Letras, 2015.

 

Anúncios